Afinal, é preciso ou não prever um “plano B” nos pedidos da petição inicial?